A Nobre casa de Guedes

Este blog não poupará as mentiras de Nobre Guedes e os crimes da rede que anos a fio mercadejou ruínas, terrenos e almas, de forma absolutamente impune. A legalidade exemplar de Guedes é um exemplo vergonhoso de violação das leis, do decoro e da inteligência. A cultura de poder deste turiferário da extrema-direita fede e a prosápia nauseia. Leia este blog com lenço à mão...

25.12.04


Nobre Guedes Vence Santana na Questão do Incinerador

Só para arquivo, registe-se que no seu jornal favorito Guedes surge encomiado tipo herói no casus belli com Santana, pela pena da
ANA FERNANDES (Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2004). A vitória é de Pirro, a cena da demissão de um demitido caricata, mas nada disso perturba esta pena e a triunfal cena tem descrição gloriosa.Atente-se na deliciosa prosa:

«O Ministro do Ambiente, Luís Nobre Guedes, venceu o braço-de-ferro que ontem manteve com o primeiro-ministro Santana Lopes a propósito da não-construção de um incinerador na região Centro do país. O desfecho deste caso, que ontem ocupou parte da agenda política, deu-se perto das 21h30, numa renião entre Santana e Nobre Guedes onde, segundo o assessor de imprensa do Ministério do Ambiente, Miguel Braga, o primeiro-ministro deu "apoio incondicional" à solução preconizada por Nobre Guedes.

João Paulo Velez, assessor de imprensa do primeiro-ministro, disse também ontem ao PÚBLICO que o assunto foi "imediatamente esclarecido" na reunião entre Santana e Nobre Guedes. Segundo Velez, a reunião entre os dois foi adiada para a noite, porque o primeiro-ministro esteve fora do gabinete por razões pessoais em parte do dia e teve, depois, várias audiências durante a tarde. De acordo com a Rádio Ranascença, durante este período Nobre Guedes chegou a ponderar a demissão e a dar um prazo de 24 horas a Santana para que voltasse a repor a normalidade no processo.

Tudo começou por volta das 13h00, quando Nobre Guedes se preparava para anunciar em conferência de imprensa que os detritos dos habitantes dos distritos de Coimbra, Aveiro, Viseu e Leiria seriam objecto de tratamento mecânico e biológico - e não incinerados, como pretendia a Empresa de Tratamento de Resíduos Sólidos do Centro (ERSUC), de que é presidente Miguel Almeida, ex-chefe de gabinete de Santana Lopes na Câmara de Lisboa. A decisão merecia a concordância das associações ambientalistas.

Uma hora antes da conferência de imprensa, o gabinete do primeiro-ministro pediu para cancelar o encontro com os jornalistas e exigiu mais esclarecimentos por parte do Ambiente. As pressões de militantes do PSD sobre o primeiro-ministro foram apontadas como as principais responsáveis por esta indecisão de Santana. Há uma semana e meia, aliás, quando já se esperava que Nobre Guedes anunciasse a sua decisão, a ERSUC divulgou novo Plano Integrado de Gestão de Resíduos Urbanos, que mantinha o projecto de um incinerador. A Quercus reagiu na ocasião, considerando que a divulgação deste plano não passava de uma tentativa para pressionar Nobre Guedes.

Militantes do PSD, contactados pelo PÚBLICO, argumentam que o incinerador já estava previsto e aprovado. De facto, José Eduardo Martins, secretário de Estado do Ambiente no tempo de Durão Barroso, previu a construção de mais uma central de incineração na estratégia que apresentou para os resíduos biodegradáveis. Porém, Luís Nobre Guedes, numa revisão deste documento para enviar para Bruxelas, acrescentou, onde se falava em incineração, "ou outra alternativa que seja económica e ambientalmente viável". Além disso, não foi aprovada a construção da central, já que o problema da localização continua por resolver.

A construção de um incinerador tem sido muito criticada pelos ambientalistas, que, num estudo que realizaram, concluíram que esta opção saía mais caro aos contribuintes do que o tratamento mecânico e biológico. Face a estes dados, o Governo decidiu encomendar, à Universidade Nova de Lisboa, um estudo que comparasse, economicamente, as várias alternativas.

Essa avaliação concluía que a incineração implicaria um custo de 26,5 euros por tonelada, enquanto que separar o lixo e reciclá-lo se ficaria pelos 16 euros. A opção mais barata - 15 euros por tonelada - seria a da deposição em aterro acompanhada por estratégias já existentes, como a reciclagem de embalagens e dos biodegradáveis recolhidos junto dos grandes produtores como os restaurantes.

O ministro pediu para aprofundar o estudo, aplicando-o ao caso específico da ERSUC. A conclusão foi idêntica. Foi com base nesta e noutras avaliações que Nobre Guedes decidiu desistiu do incinerador.

Nobre Guedes realizará hoje, pelas 16h00, a conferência de imprensa prevista para ontem". [ a frase final é um achado: fica claro que Guedes esmagou o pobre Lopes]


GUEDES - UM COLECCIONADOR DE "FORMER" ( i.é, um ex-várias coisas)

Mão amiga alertou-nos para as páginas amarelas da advocacia em que figura uma ficha gira de quem calculam. O curioso é atendência que Guedes revela para ser ex-tudo.
Vejam a ficha em:
http://www.lawyers.com/find_a_lawyer/search/atty_profile.php?attylid=1260013&firstname=LuisNobre&lastname=Guedes&searchtype=N&termtype=2&CMP=KA16725&site=729

Firm Profile: Nobre Guedes, Costa Freitas & Associados Web Site: http://www.ngcf.pt
(...)

Biography: Former Member Portuguese Parliament; Former Member, European Parliament; President, Cascais Municipal Assembly; Former Member of the Superior Magistrates Council.

Segue-se em breve: Former Member, Portuguese Government

GUEDES, GUEDES - o grande FORMER da Periquita...




ARRÁBIDA -Ministro (re)promete Plano de Ordenamento até ao fim do ano (outra inverdade!)

ESta notícia da TSF é mais rica de dados que outras.Útil para medir os dislates de Guedes...
( 17:43 / 17 de Dezembro 04 )
O Ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território, Luís Nobre Guedes, prometeu esta sexta-feira apresentar o Plano de Ordenamento da Arrábida até ao final do ano, mas admitiu que as demolições de construções clandestinas poderão ser adiadas.

«Eu disse que até ao final do ano iríamos apresentar, e acho que vamos conseguir, aquele que é o nosso Plano de Ordenamento, que é uma coisa que não pode ser mais adiada», disse Luís Nobre Guedes quando questionado pelos jornalistas sobre as demolições de construções clandestinas anunciadas para o final deste ano.
[Nem isso vai fazer: o Expresso anunciou nessa semana que fica tudo para Fevereiro, outra impossibilidade]

«Relativamente às demolições o que eu anunciei, e o que vou apresentar ao País, é um programa e um plano sobre o tipo de intervenção que temos de fazer em termos de demolições», esclareceu o governante.

Luís Nobre Guedes acrescentou que está a aguardar pela identificação completa daquilo que é necessário fazer para promover um bom ordenamento do território, mas defendeu que é necessário ter «sensibilidade social para saber que, em muitos casos, o Estado foi conivente com muita coisa clandestina que foi construída».

«O programa que nós propomos não vai ficar adiado, mas a execução naturalmente que vai, porque, não obstante haver despachos e bastante incisivos, ainda hoje não consegui ter dados concretos que me permitam saber quais são as situações irregulares e clandestinas nas áreas protegidas e na orla costeira», disse Nobre Guedes.

As declarações do ministro foram proferidas após a assinatura do contrato de concessão à Simarsul - Sistema Multimunicipal de Saneamento de Águas Residuais da Península de Setúbal - da recolha e tratamento de esgotos de oito autarquias da margem sul do Tejo - Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal.



«Não sou um bandido», diz Nobre Guedes


Esta declaração merece boa atenção.Guedes usa as palavras com grandes lapsos freudianos (só tem um rival perigoso: Santana!). E perde a cabeça como fazem os putos queques e mimados, que não suportam ser contrariados.Tem fúria litigante, pelo que face à contrariedade rapa da pena de pato e ameaça chatear com tribunais.
Vejam esta notícia da TSF online ( 12:28 / 24 de Dezembro 04 ):

O Ministro do Ambiente admite processar o jornal «Expresso» por causa da notícia sobre uma autorização secreta para a co-incineração na cimenteira de Outão, na Serra da Arrábida. Nobre Guedes diz que não é um bandido. O PS defende que o Governo não devia ter vergonha de utilizar este método. O ministro do Ambiente, Nobre Guedes, diz que nada foi feito em segredo e por isso considera que se trata de uma ofensa a notícia, publicada esta sexta-feira, no semanário «Expresso».

«Não sou nenhum bandido, nem nenhum mafioso, que decide as coisas em segredo», afirmou Nobre Guedes, adiantando que lhe foi assegurado que tudo foi tratado da melhor maneira em termos ambientais quando ao tratamento de resíduos.

«Esta semana foi má para o PS e para o engenheiro Sócrates em termos de resíduos, porque tomámos medidas importantes que não gostaram e portanto é normal, quem está na política tem que aceitar estas sequelas e saber reagir», adiantou".

A estes dislates respondeu Silva Pereira, do PS:

"Governo não devia ter vergonha de fazer co-incineração

Pedro Silva Pereira, porta-voz do PS, faz um reparo crítico a Nobre Guedes. O Governo não devia ter vergonha de fazer co-incineração.

«O problema é o secretismo com que foi tomada esta decisão de começar a fazer co-incineração de resíduos na Arrábida. Se o ministro do Ambiente faz tantas conferências só para anunciar que mandou estudar isto ou aquilo, como se isso resolvesse algum problema, porquê que logo agora com a co-incineração de resíduos na Arrábida o senhor ministro se esqueceu de anunciar o que estava a fazer?»

Pedro Silva Pereira lembrou ainda que o PS considera a co-incineração um método seguro, desde que realizada de acordo com as normas ambientais.

«O senhor ministro não precisa de ter vergonha de fazer co-incineração», adiantou".

É de acrescentar que devia ter cuidado ao lançar o debate público sobre se é ou não bandido. As opiniões dividem-se muito sobre essa delicada matéria...


Nobre Guedes percebe que não vai demolir nada...

A poucos dias do Natal, Guedes gasta dinheiro público circulando pelo país para anunciar o que faria se não tivesse sido demolido.Tem uma obsessão. A despropósito refere as demolições na Arrábida.Há dias, passou para os media o anúncio de que "vai dar a conhecer como queria reestruturar sector das águas", vaidade fátua que revela a fibra do personagem.
Reparem, todavia, como a lenga-lenga estaca a certa altura no tema-obsessão:
"O modelo de reestruturação do sector das águas não vai avançar até à constituição de um novo governo. Contudo, o ministro do Ambiente, Nobre Guedes, tem a intenção de anunciar quais as alterações que tinha preparado.

«Vou dar a conhecer ao País a forma como considero que o sector das águas devia ser reestruturado», disse o ainda ministro à margem da assinatura do contrato de concessão da Simarsul - empresa concessionária do Sistema Multimunicipal de Saneamento de Águas Residuais da Península de Setúbal, que decorreu sexta-feira.

Apesar de Nobre Guedes considerar que algumas das medidas poderiam ser implementadas até Fevereiro pelo governo de gestão, o ministro afirmou que «não faz sentido avançar», garantindo que se o Parlamento não tivesse sido dissolvido, teria sido avançado «um modelo totalmente diferente do agora em vigor».

E agora, a frase batida:

"Durante a ocasião, o governante prometeu ainda apresentar o Plano de Ordenamento da Arrábida até ao final do ano, admitindo, no entanto, que as demolições de construções clandestinas poderão ser adiadas. [Bolas!Logo a coisa mais desejada como presente de Natal pela família da Periquita!]

«Relativamente às demolições, o que eu anunciei, e o que vou apresentar ao país, é um programa e um plano sobre o tipo de intervenção que temos de fazer em termos de demolições», esclareceu.[um manual? Um guia? Um folheto explicativo? Um powerpoint com ruínas?!]
«O programa que nós propomos não vai ficar adiado, mas a execução naturalmente que vai, porque, não obstante haver despachos e bastante incisivos, até hoje não consegui ter dados concretos que me permitam saber quais são as situações irregulares e clandestinas nas áreas protegidas e na orla costeira», acrescentou.
[Portanto o manual é teoria! O iluminado que esteve na Rua do Século por engano é tão ET que com os parques subdotados e sem pessoal, "ordenou " que fizessem um levantamento de situações irregulares em 5 -cinco! - dias; sem se saber critérios, sem meios de prova, sem vistorias; um exemplo máximo de despachismo lunático e de ridículo desgastante da autoridade do Estado: ninguém ligou nada à ordem...inexequível e o ordenante meteu a viola na caixa; vem agora reconhecer que não obteve dados e que as bravatas que babou eram feitas com base em coisa nenhuma. Adeus, Guedes!]

17.12.04

Guedes ensandeceu!!!

Disse que vai publicar o POPNA.Por favoor, digam-lhe que pode ir para a Periquita.O Governo foi demolido e so pode fazer tolices pequeninas...

Guedes ensandeceu!!!

Disse que vai publicar o POPNA.Por favoor, digam-lhe que pode ir para a Periquita.O Governo foi demolido e so pode fazer tolices pequeninas...

Guedes ensandeceu!!!

Hoje, a meio de umespicho sobre saneamento, o Guedes anunciou que vai parir o POPNA ate ao fim do ano.O Bagao, menos tolo,topou que deixou de poder agir fora dos limites da gestao corrente.O senhor da Periquita ainda julga que nao foi demolido.

Ontem, o PSD tinha deixado saber, via Luis Rodrigues,que o POPNA teria de ficar para depois...
No meio da feira de loucuras, pode parecer que esta sera das menores.Mas nao. O projecto de POPNA abortou porque nao presta.Tem graves calinadas e desprotege A Arrabida.Guedes quer apenas levar ao Conselho este aborto.Qd o PSD puser duvidas, mete-o na gaveta e diz que a culpa so pode ser...do Santana. Importa que o golpe seja denunciado!

Guedes ensandeceu!!!

Hoje, a meio de umespicho sobre saneamento, o Guedes anunciou que vai parir o POPNA ate ao fim do ano.O Bagao, menos tolo,topou que deixou de poder agir fora dos limites da gestao corrente.O senhor da Periquita ainda julga que nao foi demolido.

Ontem, o PSD tinha deixado saber, via Luis Rodrigues,que o POPNA teria de ficar para depois...
No meio da feira de loucuras, pode parecer que esta sera das menores.Mas nao. O projecto de POPNA abortou porque nao presta.Tem graves calinadas e desprotege A Arrabida.Guedes quer apenas levar ao Conselho este aborto.Qd o PSD puser duvidas, mete-o na gaveta e diz que a culpa so pode ser...do Santana. Importa que o golpe seja denunciado!

14.12.04

Urgente!Ler Luísa Schmidt na Revista do EXPRESSO!

Num alerta publicado no dia 11 de dezembro a LS acerta na mouche quanto aos podres da elaboração do Plano de Ordenamento que Guedes quis assucatar e faz um alerta que merece toda a atenção!Parabéns pela lucidez e pelo desafio feito aos partidos que podem impedir a consumação da desgraça!

Correio da Manhã noticiou (mal) "Arrábida: intimação judicial contra Santana e Nobre Guedes-Supremo arrasador"

No dia 12-12-04, o CM publicou o texto seguinte:

Supremo não dá razão a Ana Merelo e recorda decisões favoráveis à demolição da sua casa (na foto - NB: foto errada)
O Supremo Tribunal Administrativo (STA) não deu qualquer provimento ao recurso da advogada Ana Merelo, a propósito da demolição de uma habitação na Aldeia da Piedade (inserida no Plano de Ordenamento do Parque Natural da Arrábida). A decisão do Supremo é arrasadora para a causídica que requereu uma intimação judicial” contra o primeiro-ministro, Pedro Santana Lopes, e o ministro do Ambiente, Luís Nobre Guedes.

Segundo um acórdão a que o CM teve acesso, o STA deliberou, a 18 de Novembro, que a requerente, a par de outra cidadã, “limitam-se a apelar vagamente à violação de direitos e garantias”. Mais, os juízes referem que o pedido de intimação não faz qualquer sentido. Estão em causa declarações feitas à Comunicação Social, mas que o Supremo não consegue atribuir-lhes enquadramento ou “qualquer sentido” no processo. Fica por demonstrar, no entender do Supremo, as intenções de Santana Lopes de colocar em xeque a separação de poderes, judicial e político.

Na base do recurso está o que Ana Merelo, (companheira do deputado socialista José Magalhães), considerou “qualquer acto que ponha em causa os princípios constitucionais e legais do nosso ordenamento jurídico”. Ana Merelo tentou, por diversas vezes, impedir a demolição da sua habitação e contestou o facto da casa de Nobre Guedes, próxima da sua, não ter tido o mesmo tipo de tratamento.

Em Outubro, Ana Merelo declarou: “Estão reunidas condições para que o Ministério Público (MP) inicie uma investigação criminal.”[coisa que sucedeu via PJ, coisa que a levou à CMS a 22-11-04]

Contudo, o STA, através do relator Santos Botelho, recorda decisões como a do Tribunal da Relação de Évora que confirmam a demolição da casa de Ana Merelo.
José Rodrigues com C.R

[Alguém forneceu informação envenenada a este jornalista! Segundo tudo indica, a providência da advogada junto do STA era cautelar, ao abrigo da lei nova concebida pelo Ministro PS ANtónio Costa.

O fracasso desse acto preventivo - a estudar face ao texto do acordão, que não temos - em nada afecta o normal curso das acções em curso nos tribunais judiciais. E essas estão altamente embrulhadas, não sendo afectadas pelo que o STA deliberou. A fonte que correu a dar a nova demolidora ao CM deve ser muito próxima do único demolido até à data - o Ministro Guedes- e manifestamente não percebe nada de processo civil.]