A Nobre casa de Guedes

Este blog não poupará as mentiras de Nobre Guedes e os crimes da rede que anos a fio mercadejou ruínas, terrenos e almas, de forma absolutamente impune. A legalidade exemplar de Guedes é um exemplo vergonhoso de violação das leis, do decoro e da inteligência. A cultura de poder deste turiferário da extrema-direita fede e a prosápia nauseia. Leia este blog com lenço à mão...

13.11.04

No jornal Primeira Página, de Palmela , na secção
A MINHA OPINIÃO, Luís Bandadas coloca Guedes na coluna "A descer" e explica porquê, num texto escrito com bom senso e decência exemplares:

MORALIDADE. Já tive, como todos os portugueses de uma forma geral, oportunidade de sentir à distância o drama que a família de Florentino Duarte vive de há cerca de dois anos a esta parte. Mas as imagens não fazem justiça ao que se sente quando entramos em contacto real com a situação.

Depois do ministro do ambiente ter decidido retomar o processo de demolição de casas ilegais no Parque Natural da Arrábida, decidi fazer uma visita a esta família humilde e de poucas posses. A casa desprovida de luxos foi construída aos poucos com o dinheiro que o senhor Florentino foi amealhando, fruto do seu trabalho de emigrante. Errou, ou foi induzido em erro, ao construir sem o devido licenciamento. Merece por isso ser punido. Mas o castigo que se anuncia é desumano. Derrubar, cirurgicamente, a casa e não tocar nos cultivos e da pequena pecuária ali existente, para consumo próprio, é maquiavelicamente perverso.

Luís Nobre Guedes não tem sequer autoridade moral para deixar esta família sem nada, obrigando-a, compulsivamente, a recomeçar uma vida do zero. O que com as posses que não tem é manifestamente impossível. Mas este caso é muito mais complexo do que o ministro do ambiente quer fazer crer ao arvorar-se em justiceiro do ambiente em casas alheias.

É importante que se diga que, em redor da habitação do senhor Florentino Duarte, cresceram, e estão a crescer, ao longo dos anos autênticas mansões. Não estou a exagerar nem um pouco, porque eu mesmo constatei essa realidade. Então em que é que ficamos? Pode ou não construir-se naquela zona protegida? Pelos vistos parece que sim, mas só alguns o fazem de forma impune através de processos poucos transparentes.

Nesta matéria, Luís Nobre Guedes dá o exemplo ao construir uma casa de luxo na mesmíssima zona. Local onde as dúvidas são mais do que muitas quanto à legalidade do espaço ocupado pela nova habitação que dificilmente corresponderá à construção outrora ali existente. Para se ter uma ideia, e isso é fácil de comprovar no terreno, teria de ter existido ali, não uma casa, mas sim um palácio. Ou seja: um edifício com uma volumetria, que eu saiba, não consta em nenhum registo. Mesmo num país onde todos ralham e ninguém tem razão, estes casos não podem passar à margem porque se assim for os mais fracos é que sofrem.

Querem um exemplo da patetice que se instalou em Portugal?: O nosso emotivo presidente da Republica chama a Belém um comentador político para depois dizer pouco e fazer nada! Neste caso de tremenda injustiça social pelo que se adivinha, também nada vai fazer. Também seria esperar demais para um presidente protocolar que vigia para depois fazer que não vê.

Neste caso, que se prevê grotesco e inadmissível num estado de direito, quero, ainda, acreditar que, se a intenção do ministro passar à prática, os interesses de Florentino Duarte, do seu filho menor, da sua esposa e da sua filha e neto, que com eles vivem, sejam devidamente acautelados.

Se assim não for, faço estas perguntas: Como é que poderá viver consigo próprio senhor ministro? Como é que conseguirá passar dias e noites na sua habitação de luxo que está a construir mesmo ali ao lado da habitação que se propõe derrubar? Se as máquinas baterem à porta desta família resta a solidariedade do povo entre si.