A Nobre casa de Guedes

Este blog não poupará as mentiras de Nobre Guedes e os crimes da rede que anos a fio mercadejou ruínas, terrenos e almas, de forma absolutamente impune. A legalidade exemplar de Guedes é um exemplo vergonhoso de violação das leis, do decoro e da inteligência. A cultura de poder deste turiferário da extrema-direita fede e a prosápia nauseia. Leia este blog com lenço à mão...

3.10.04

VITAL MOREIRA ASSINALA QUE “É MAIS FÁCIL FABRICAR DOCUMENTOS QUE RUÍNAS”!

No blog “Causa Nossa”, VM tem vindo a acompanhar com rigor as sucessivas explicações com que Guedes tem procurado lançar poeira nos olhos dos que procuram perceber o que se passou.
O Ministro, de recuo em recuo, chegou agora a um beco sem saída: todas as provas desmentem a legalidade do licenciamento com que foi brindado.

Em desespero, brama que há um documento oficial que !atesta tudo”, contra fotos de satélite, contra testemunhos, contra vestígios materiais ainda existentes no talude onde houve a famosa ruína.

Vai-se ver e o documento em causa é, em si mesmo, um escândalo. Como foi possível que tal documento fosse produzido?!

Vale a pena ler o que escreve VM (http://causa-nossa.blogspot.com/2004/10/sem-vergonha-entre-runas-actual.html).

De forma lapidar, o constitucionalista e perito em Direito Administrativo assinala que:

a) As provas fotográficas e outras aduzidas nesta notícia da SIC sobre a vivenda do ministro Nobre Guedes na Arrábida mostram que ela foi construída ilegalmente, invocando falsamente ruínas de uma edificação preexistente, que na verdade só tinham ¼ da área da nova casa.
b) Para agravar a sua comprometedora situação, um porta-voz do Ministro declarou ontem ao semanário O Independente que as ditas ruínas existiam mas que não eram visíveis! À trapaça junta-se portanto uma despudorada negação da evidência. Uma desesperada "fuga para a frente"!
c) A gravidade da situação não pode ser escamoteada. O mesmo Ministro do Ambiente, que ordenou a demolição de casas ilegais na Arrábida, afinal também possui uma tanto ou mais ilícita do que elas no mesmo parque natural
d) com a agravante da utilização de informações falsas e de influências bastantes para obter um licenciamento indevido.

A conclusão é certeira: “Um Ministro destes não pode continuar em funções como se nada se passasse!”
Num Aditamento, VM comenta a operação de marketing do Guedes quando, encurralado, resolveu armar em transparente e “abrir o processo” no ICN.

Diga-se que tinha uma solução melhor se não fosse infoiletrado: punha tudo na Net. Como é, vamos dar-lhe uma mão, colocando na Internet aquilo que o Ministro se gabou de pôr ao alcance dos que tivessem a pachorra de peregrinar até ao ICN.

A operação é tanto mais inútil quanto a leitura dos documentos é terrível para o Ministro: prova o contrário que ele quis sugerir aos crentes que só vêem telejornais e podem ficar impressionados por verem o Guedes tão “aberto”.
Não é o caso de VM, que assinala:

“O ministro exibiu hoje documentos que alegadamente provariam a existência de ruínas com área correspondente à da nova edificação.

Só que é mais fácil fabricar documentos do que ruínas: estas não voam e as provas existentes (fotografias aéreas e testemunhos, como os que o Expresso hoje refere) desmentem a sua existência, pelo que se estará perante um caso de fraude documental com relevância criminal, cuja responsabilidade não pode deixar de ser apurada.
Os tais documentos não ilibam portanto Nobre Guedes, apenas a tornam o caso mais grave...!
NÃO É POSSìVEL DIZER MELHOR!!!

1 Comments:

Blogger qaae said...

As fotos aéreas que muito possivelmente existem no Instituto Geográfico do Exército, são de muito boa qualidade, com suporte legal inrefutável. Foram na sua maior parte feitas pela FAP (as séries mais antigas) e devem dar para obter uma precisão inferior a 1 m. Vale a pena tentar ;)

11 de outubro de 2004 às 10:22  

Enviar um comentário

<< Home