A Nobre casa de Guedes

Este blog não poupará as mentiras de Nobre Guedes e os crimes da rede que anos a fio mercadejou ruínas, terrenos e almas, de forma absolutamente impune. A legalidade exemplar de Guedes é um exemplo vergonhoso de violação das leis, do decoro e da inteligência. A cultura de poder deste turiferário da extrema-direita fede e a prosápia nauseia. Leia este blog com lenço à mão...

11.10.04

Também há omissões na divulgação do texto da LUSA sobre as declarações de Celso Santos ("Anterior director do Parque desconhece relatório de erros da Inspecção").

Na primeira parte o despacho foi divulgado e suscita comentários já aqui feitos.

« O anterior director do Parque Natural da Arrábida, Celso Santos, afirmou hoje desconhecer o relatório de investigação da Inspecção-Geral do Ambiente (IGA) que detectou 300 irregularidades na gestão do parque.

"Não conheço o relatório da IGA, hoje divulgado, mas sei que fala de 300 infracções, que só se podem referir aos últimos 20 e tal anos de gestão do parque. Eu só estive na direcção nos últimos cinco anos", afirmou Celso Santos em declarações à agência Lusa.

Recusando prestar declarações sobre o relatório da IGA, por falta de "autorização hierárquica", o antigo director do Parque da Arrábida adiantou apenas que aquela Inspecção-Geral lhe enviou, em Abril passado, uma "versão para contraditório" do relatório das inspecções ao parque da Arrábida, com diferentes conclusões das hoje divulgadas.

"A versão que recebi em Abril do IGA, para me pronunciar, não coincide com a versão hoje divulgada. Há qualquer coisa que não bate certo. Só se há um novo relatório", afirmou.»

Curiosa é a segunda parte do texto:


«A IGA diz ter analisado 450 processos e encontrado cerca de 300 irregularidades, entre as quais falsificação de documentos, violação de regras do Parque, falta de medidas para as construções ilegais e ausência de fiscalização.

Do relatório constam ofícios encontrados em câmaras municipais diferentes dos emitidos pelo Parque da Arrábida e construções aprovadas violando as regras daquela área protegida e que não foram penalizadas.

Os inspectores questionam, nomeadamente, a forma como foram permitidas construções sem respeito dos limites do regulamento da área protegida do Parque.

As conclusões da investigação da IGA vão ser enviadas ao Ministério Público para apuramento de responsabilidades e impugnação de todos os actos judiciais ilegais detectados, com a consequente anulação dos processos de construção ilegais.

O relatório da investigação da IGA foi hoje divulgado pelo Ministério do Ambiente, para quem a Inspecção-Geral do Ambiente remeteu todos os comentários.»


A NOTA FINAL merece boa nota:

A Lusa falou com o secretário de Estado adjunto do ministério do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, que remeteu o assunto para o ministro Nobre Guedes, cujo gabinete disse ainda não saber quando o governante vai fazer declarações sobre o tema.

Muito misterioso...Guedes nada declara depois de se topar que a operação Relatório IGA vai explodir-lhe na boca. O Pepe Rápido do Relatório GALP anda agora com cuidados extremos quando litiga em causa própria. O seu colega do PSD, o jovem ambientista Silva, revela-se sábio e não tira castanhas do lume.
A comédia passa suave no meio do CIRCO em curso, mas chegará a sua hora de visibilidade...