A Nobre casa de Guedes

Este blog não poupará as mentiras de Nobre Guedes e os crimes da rede que anos a fio mercadejou ruínas, terrenos e almas, de forma absolutamente impune. A legalidade exemplar de Guedes é um exemplo vergonhoso de violação das leis, do decoro e da inteligência. A cultura de poder deste turiferário da extrema-direita fede e a prosápia nauseia. Leia este blog com lenço à mão...

14.10.04

Regista-se aqui, pelo bom senso evidenciado, um comunicado à Imprensa 4 de Outubro 2004 divulgado pela Associação P'la Arrábida, que só agora nos chegou às mãos:

INVESTIGAÇÃO URGENTE

As recentes notícias divulgadas em vários órgãos da comunicação social, que envolvem o Ministro do Ambiente Luís Nobre Guedes e o processo de aquisição e licenciamento de uma casa de férias no Parque Natural da Arrábida levantam sérias reticências.

Mesmo nos documentos divulgados por iniciativa do próprio ministro verifica-se que os procedimentos de legalização da referida moradia suscitam dúvidas quanto à possibilidade de ter sido praticado um tratamento de favor. Há versões contraditórias acerca das reais dimensões da ruína que serve de referência para justificar a dimensão da actual edificação (40 metros quadrados nalguns casos, 168 metros quadrados noutros), há suspeitas de aprovação sem parecer técnico, assim como há dúvidas acerca do cumprimento rigoroso de outras formalidades.

Acresce que entre os agentes que no terreno validaram os diferentes trâmites do referido processo estão citados os mesmos nomes (e os mesmo métodos) que poderão constar, igualmente, num relatório da Inspecção-geral do Ambiente mandado instaurar em 2002 pelo então ministro Isaltino Morais, para averiguar suspeitas de corrupção e outras ilegalidades no licenciamento de muitas habitações do Parque Natural da Arrábida.

Neste contexto, o ministro Nobre Guedes perderá a legitimidade política e autoridade moral para prosseguir o desempenho das suas funções se não forem divulgados todos os dados que directa ou indirectamente se relacionam com esta polémica (nomeadamente o inquérito da Inspecção Geral do Ambiente) e se não for desenvolvida uma investigação independente e isenta pelas autoridades competentes.

Está em causa, para além de tudo o resto, a condução de dossiers tão importantes como a discussão e publicação do Plano de Ordenamento do Parque Natural da Arrábida onde Nobre Guedes é parte interessada.

No actual estado das coisas a opinião pública ficará sempre com a sensação de que o ministro, aproveitando a sua posição institucional, terá dado uma forte ajuda ao cidadão para que os mesmos privilégios de ambos e da mesma pessoa não sejam beliscados.