A Nobre casa de Guedes

Este blog não poupará as mentiras de Nobre Guedes e os crimes da rede que anos a fio mercadejou ruínas, terrenos e almas, de forma absolutamente impune. A legalidade exemplar de Guedes é um exemplo vergonhoso de violação das leis, do decoro e da inteligência. A cultura de poder deste turiferário da extrema-direita fede e a prosápia nauseia. Leia este blog com lenço à mão...

16.10.04

CASA DE NOBRE GUEDES DÁ ORIGEM A QUEIXA DE SÁ FERNANDES

O Expresso (16-10-04) anuncia na última página, com destaque,"CASA DE NOBRE GUEDES DÁ ORIGEM A QUEIXA".
A notícia refere que no dia 15, o advogado ambientalista José Sá Fernandes, partindo das investigações do EXPRESSO, avançou com uma participação «para eventual procedimento criminal contra incertos e eventual procedimento administrativo», tendo em conta «a razoável dúvida de os processos administrativos (referentes ao licenciamento da construção da vivenda Guedes) conterem irregularidades/ilegalidades e de se terem cometido diversos crimes» [falsificação de documentos, falsidade de documentos, peculato, corrupção activa e passiva ou abuso de poder].
Sá Fernandes pretende ainda que uma equipa de arqueólogos seja chamada a averiguar a pré-existência da famosa ruína com uma alegada área de 168m2 para que «as dúvidas fiquem esclarecidas».
Trata-se de uma interessante iniciativa. Ao facto de haver mais capacidade de investigação e de crítica no sistema mediático do que no sistema partidário soma-se agora a recusa de inacção cívica face ao fariseísmo do Ministro Guedes.
O Rambo da Periquita julgou que, por mandar na Inspecção-Geral do Ambiente, podia meter na gaveta a investigação do seu licenciamento privilegiado e recheado de ilegalidades. Agora o Ministério Público será confrontado com esta queixa, impossível de ignorar, geradora de atenção justificada por parte dos media.
Esta semana Guedes fez tudo para desviar as atenções do caso da sua vivenda.
Não só não conseguiu, como termina alvo de uma queixa que pode levar a lançar mais luz sobre as actividades do sinistro "gang da Arrábida".

1 Comments:

Blogger zorros said...

O Ministro do Ambiente é, cada vez mais, uma carta fora do baralho que é este governo. Entrou com grande ímpeto e com o intuito de mostrar que é diferente de todos os outros porque "corta a direito" de acordo com as palavras de Paulo Portas. A forma como divulgou o relatório do incêndio na refinaria de Leça da Palmeira chegou a embaraçar os seus colegas das pastas da Economia e das Obras Públicas e até precipitou declarações contraditórias do Primeiro Ministro. O clima de preocupação dos colegas de coligação do PSD era evidente, porque havia claramente uma intenção de ganhar visibilidade e fazer prova de uma forma superlativa de fazer política. Isso chegou a ser declarado pelo próprio Nobre Guedes com um chorrilho de frases ocas de sentido mas grandiloquentes num artigo editado pelo Público. Porém, em política já me habituei há muito a desconfiar daqueles que se arvoram em justiceiros e o anunciam com grandes parangonas. Quem tem orientações claras e politicamente bem fundamentadas não precisa de declarar em cada momento que vai ser "implacável" nom tom que denuncia arrogância e desejo de vingança. E que, o mais das vezes, serve para esconder as fraquezas do próprio como se vai revelando todos os dias. Para já as suas iniciativas são abertamente contestadas, como aconteceu com as declarações produzidas no Algarve a propósito de um suposto racionamento da água, que pôs os cabelos em pé de todos os autarcas do PSD, com realce para Macário Correia. Nobre Guedes perdeu a voz, mas corre sérios riscos de sair deste governo pela porta baixa quando se provarem os seus procedimentos menos claros com o truque da ruína e se se confirmarem suspeitas de fuga ao imposto da sisa.

José Porfírio

17 de outubro de 2004 às 13:22  

Enviar um comentário

<< Home