A Nobre casa de Guedes

Este blog não poupará as mentiras de Nobre Guedes e os crimes da rede que anos a fio mercadejou ruínas, terrenos e almas, de forma absolutamente impune. A legalidade exemplar de Guedes é um exemplo vergonhoso de violação das leis, do decoro e da inteligência. A cultura de poder deste turiferário da extrema-direita fede e a prosápia nauseia. Leia este blog com lenço à mão...

30.9.04

PLANO A JACTO (GUEDES PERDEU A CABEÇA?)

A notícia vem no Público de hoje(30-09-04), p.30: Guedes quer parir a jacto o Plano de Ordenamento da Arrábida. Há grande confusão sobre o cronograma deste parto (provocado pela cólera) . A notícia do Público reflecte o que foi declarado pelo Sec. de Estado Moreira da Silva, e durante a tarde o porta-voz de Guedes ainda fez circular a mesma versão, espantosa . "é para a semana!" (naquele Ministério é tudo para a semana, antes de se descobrir que não pode ser!).

Escreveu Ricardo Garcia:
"Os prazos têm sido desrespeitados sucessivamente. Há parques e reservas cujos planos foram mandados fazer há seis ou sete anos, mas até agora não estão prontos . [no caso da Arrábida há mais de 20 anos que se espera!]A última data limite - que agora será ultrapassada - era 1 de Outubro de 2004. Este prazo fora definido há dois anos pelo Governo, através de um decreto-lei destinado a evitar a desclassificação das áreas protegidas que já estavam em incumprimento. O diploma "mantém a classificação das áreas protegidas", com efeitos retroactivos.

Passados dois anos, apenas um plano foi concluído - o da Reserva Natural do Paúl da Arzila. Por isso, o actual Governo fez aprovar, em Agosto passado, um novo decreto-lei, com o mesmo teor do anterior, alargando o prazo agora até 31 de Dezembro de 2005. Mas este diploma ainda não foi publicado em "Diário da República", não estando em vigor.

O Ministério do Ambiente quer aprovar alguns planos antes do novo prazo fixado. O primeiro será o do Parque Natural do Vale do Guadiana, que curiosamente nunca teve limite legal para ser concluído. A aprovação final deverá ocorrer ainda em Outubro, de acordo com o secretário de Estado Adjunto do Ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território, Jorge Moreira da Silva.

A seguir virá o do Parque Natural da Arrábida, cuja versão final o ministério espera concluir na próxima semana. Na calha até ao final deste ano, segundo Moreira da Silva, estão também os planos do Parque Natural da Serra de São Mamede e das reservas naturais da Serra da Malcata e das Dunas de São Jacinto.

Os planos têm passado por atrasos inexplicáveis. Os da Arrábida, São Jacinto e São Mamede, por exemplo, foram colocados em discussão pública há um ano e meio, e ainda não viram a luz do dia. Aliás, só aqueles que já tiveram discussão pública é que estão em condições de ser aprovados mais rapidamente. "Este Governo vem beneficiar de muito trabalho que já estava feito", reconhece Moreira da Silva. "Mas sobre esta matéria, posso assegurar que há um forte empenhamento político da nossa parte e que ela é tratada como uma prioridade", acrescenta."

Como pode ser "para a semana"?!
1) O aborto anunciado por Isaltino e posto a debate em 2002 era totalmente falho de estudos preparatórios, feito a olho, vingativo, cheio de erros de caracterização .Foi pulverizado pelos moradores e pelos especialistas.
2) O Ministro Theias meteu no lixo o labor de celso Santos, o demitido director do Parque que pilotou a escrita deste anti-plano, exemplo de como não deve ser a feitura de um instrumento deste tipo.
3) Theias meteu no processo o Instituto Superior de Agronomia, para fazer estudos sérios e preparar classificações não feitas a olho.
4) Cemitido Celso, a nova directora do Parque jurou que o novo projecto de plano seria feito seriamente e debatido com os interessados ( a senhora fez um mestrado na Univ de Coimbra sobre ordenamento do território, sob a direcção de JJGomes Canotilho e sabe que a participação é condição de validade do Plano).
5) O Instituto Superior de Agronomia não concluíu os seus estudos e careceria de muito trabalho de inventariação para poder fundamentar as opções a tomar.

Dito isto, como poderia o Governo aprovar o PNA na próxima semana?
Desenterrando o aborto produzido por Isaltino/Celso, retocando-o com a enorme sabedoria arrabidense do proprietário da vivenda da Periquita e aprovando-o a jacto, perante a cumplicidade dos colegas de coligação do PSD, amarrados à fúria kamikaze do samurai da Periquita?
Se fossem por aí, entrariam num pântano sem fim : o PNA seria ferido de vícios vários, o ISA seria convocado para testemunhar que as bases científicas estão por fazer (dando um tiro na validade do PNA), a participação popular seria nula ( a anterior chuva de críticas foi em relação ao aborto jurídico cujos pais já estão fora de cena). A adopção do aborto por Guedes revelaria muito sobre a sua cultura de poder e clarividência, mas não daria à Arrábida um plano, antes gerando uma avalanche de litigações nos tribunais.

Mais: feito a olho, todas as atenções se virariam para a preciosa courela de Guedes e a sua mirculosa ruína e para as tentativas de vindicta classificatória em relação a terceiros (os ódios pessoais e políticos do Ministro vêem-se a olho, sem necessidade de foto por satélite!).logo: um chorrilho de conflitos, impugnações, lama...

Reina a perturbação no Ministério do Ambiente, já se sabia. Mas isto é outra coisa, filha do desespero. Alguém acalme o furioso Guedes!